Seguros 2020: Fidelidade reforça liderança em mercado recessivo

Seguros 2020: Fidelidade reforça liderança em mercado recessivo

As companhias de seguros venderam menos 2,4 mil milhões de euros em 2020 penalizadas por baixas taxas de juro e pela Covid-19. Veja o ranking dos 42 grupos e seguradoras que atuam em Portugal.

 

A Fidelidade reforçou a sua liderança de mercado nacional de seguros em todo o ano de 2020 segundo dados do relatório Prémios de Seguro Direto da Atividade Seguradora (valores provisórios), agora divulgado pela ASF, entidade reguladora do setor segurador e dos fundos de pensões.

 

Num mercado que quebrou no total 19% em relação a 2019, uma perda de vendas de 2,4 mil milhões de euros, devido a uma baixa de 35% no ramo Vida, não compensado por um aumento de 3% nos ramos Não Vida, foram poucas as seguradoras que cresceram muito positivamente.

 

Durante o ano passado atuaram no mercado nacional, 66 seguradoras das quais 38 eram empresas de direito português, com supervisão direta da ASF e 28 são sucursais de seguradoras com sede em países da União Europeia. Deste conjunto ECOseguros identificou 42 diferentes grupos seguradores ou seguradoras independentes. A Fidelidade é líder enquanto seguradora mista Vida e Não Vida, em conjunto com as outras empresas do grupo: Via Directa (OK!), Multicare e Fidelidade Assistência. Obteve uma quota de mercado de 28%, mais 1,1% do que tinha em 2019.

 

A concentração manteve-se elevada em relação a outros mercados europeus. Os 5 primeiros grupos (Fidelidade, Ageas, Generali/Tranquilidade, Allianz e Santander) faturaram 66% dos prémios, os 10 primeiros (juntando aos cinco o BPI Vida, Zurich, Lusitania, Gamalife e Liberty) somam 86% das vendas. Os 20 primeiros grupos ou seguradoras representam 97,5%. Os 22 últimos apenas 2,5%.

 

Em ano recessivo, dos 42 grupos ou seguradoras, 18 conseguiram crescer positivamente em 2020 relativamente ao ano anterior. Por ordem de classificação (segundo o ranking por volume de prémios) a Allianz (+1%), CA (+12%), Metlife (+9%), Caravela (+32%), Chubb (+6%), Crédit y Caución (+3%), Abarca (+17%), Prévoir Vie (+12%), Coface (+7%), Hiscox (+17%), CESCE (+22%), AXA (+5%). Já abaixo dos 5 milhões de prémios ainda cresceram positivamente a España (+11%), Asisa (+69%), AWP (+24%), Planicare (partindo de uma base muito baixa), Inter Partner (+17%) e Lloyd’s (+59%).

 

Foram 14 os grupos ou seguradoras que registaram evolução negativa, mas acima da quebra de 19% de todo o mercado. Neste grupo está a Fidelidade (-16%), Generali/Tranquilidade (-2%), Lusitania (-8%), Liberty (-7%), Mapfre (-4%), Victoria (-1%), Real Vida (-15%), Crédit Agricole/ GNB Seguros (-5%), AIG (-12%), Cardif (-12%), Cosec (-1%), BBVA Seguros (-9%), Mútua dos Pescadores (-5%) e ACP Mobilidade (-3%).

 

Finalmente, verificou-se que os 10 grupos e seguradoras com maior exposição ao Ramo Vida e ao ramo assistência foram as que perderam mais vendas e quota de mercado. Abaixo dos 19% de quebra, estão o grupo Ageas (-27%), Santander Totta (-28%), BPI Vida e Pensões (-35%), Zurich (-43%), Gamalife (-51%), Bankinter (-32%), Una (-22%). Abaixo dos 5 milhões de euros em prémios estão RNA Assistência (-45%), PSN Mútua (-22%) e ARAG (-34%).

 

Em relação a variações de lugares no ranking de 2019 para 2020, a Allianz passou de 7o para 4o maior grupo no mercado português, o BPI Vida foi de 4o para 6o, Metlife de 17o para 15%, Caravela, de 19o para 16o, e Planicare de 42o para 36o, foram os maiores destaques.

 

É este o ranking de todos os grupos e seguradoras em 2020.
Ranking dos grupos e seguradoras em Portugal (Produção de seguro direto em 2020)

Fonte: ASF (Valores provisórios para 2020); Tratamento de dados. ECOseguros.

 

Produção em milhões de euros inclui prémios brutos emitidos de contratos de seguro e receita processada de contratos de investimento e de prestação de serviços