Coisas que só acontecem aos outros

 Todos nós sabemos que existem coisas que só acontecem aos outros, quase todas elas podem ser cobertas por seguros, são situações que realmente incomodam e que nem sequer apetece falar, ainda por cima não nos vão acontecer a nós porque, nós somos nós e não os outros.

Qualquer mediador profissional de seguros ao ler o parágrafo anterior certamente se lembrará de um cem número de situações que já lhe aconteceram profissionalmente enquanto propunha determinada solução de seguro a um cliente e este se mostrava renitente em ouvir, quanto mais ponderar se aquilo lhe servia para alguma coisa.

 

Esta atitude do cliente é completamente legitima, visto que ele está bem e não precisa de nada e como se sente bem e nem sequer é bom falar nas coisas más, não vá isso dar azar e certamente são coisas para gastar dinheiro. Todos nós somos consumidores e temos que perceber que é aceitável ter este pensamento. Hoje em dia existem tantas coisas que chegam até nós sem que precisemos delas ou que as tenhamos procurado, que se torna difícil distinguir se aquele produto ou serviço nos faz falta ou não, basta ligar a televisão ou olhar para o telemóvel que aparecem logo umas quantas sem que tenham sido solicitadas, é preciso ter um grande discernimento para distinguir o necessário do desnecessário. Os seguros não fogem à regra e neste setor específico aparece logo uma separação obvia entre dois grupos, os seguros tem que ser pagos por via requisito legal ou por obrigação contratual e por outro lado seguros opcionais ou facultativos, certamente todos eles são para cobrir eventualidades que só acontecem aos outros e se tivermos a falar de coisas mais sensíveis é preciso ter muita atenção, a palavra morte não pode ser utilizada porque ninguém gosta de falar nesses assuntos.

 

Lamento informar, até porque detesto ser portador de más noticias, mas se alguém ainda não sabia vamos todos morrer, uns de cada vez é claro e esperemos que o mais tarde possível, mas é certo, logo não é preciso ser nenhum especialista em estatística para perceber que nem todas as pessoas vão ter um acidente de automóvel ao longo da sua vida, apesar se de tratar de um seguro obrigatório, mas 100% vão morrer. Temos que encarar estas e outras situações de forma normal e natural, propor outro tipo de produtos aos nossos clientes, desde que esses produtos sejam adequados às necessidades ou preocupações de cada um deles em particular.

 

É um enorme esforço que temos que fazer para conseguir alertar os nossos clientes que por vezes são também nossos amigos ou familiares de que o que estamos a fazer não é somente tentar vender seguros, é sobretudo adequar de dentro do nosso portefólio de produtos aquele que melhor serve para a salvaguarda de eventualidades que lhe possam acontecer ou aos seus bens.

 

Nós profissionais de seguros temos a difícil tarefa de fazer passar a mensagem de que aquelas coisas que só acontecem aos outros, aos olhos dos outros os outros somos nós. 

Autor: Bruno Carvalho

Link: https://eco.sapo.pt/opiniao/coisas-que-so-acontecem-aos-outros/